30 setembro, 2006

Infante D. Francisco, mais um personagem da nossa História

«Levantemos agora os nossos próprios olhos, que é tempo de ver o infante D. Francisco a espingardear, da janela do seu palácio, à beirinha do Tejo, os marinheiros que estão empoleirados nas vergas dos barcos, só para provar a boa pontaria que tem, e quando acerta e eles vão cair no convés, sangrando todos, um que outro morto, e se a bala errou não se livram de um braço partido, dá o infante palmas de irreprimível júbilio, enquanto os criados lhe carregam outra vez as armas(...)»
in Memorial do Convento, Ed. RBA, P. 77

O que passaria na cabeça do infante D. Francisco para ver divertimento onde os outros vêem sofrimento e falta de humanidade? Divertia-se a atirar sobre os marinheiros. Que tipo de homem era este D. Francisco?

Agora percebo os receios e os sonhos da rainha. O infante D. Francisco ambicionava a coroa e chegava, na ausência do rei, a cortejar a rainha, sua cunhada.

3 comentários:

india disse...

Sempre houve loucos e psicopatas. Então com uma arma na mão.... Mesmo que não seja pólvora ou balas, uma pequena pressão de ar pode fazer estragos.

Sandra B. disse...

Na minha opinião este "senhor" devia ser um frustrado,pois aparentemente almejava tudo aquilo que não tinha.

A frustração e a inveja podem levar o ser humano a fazer coisas inacreditáveis!

Anónimo disse...

Ele era um palhaço é o que era xD